cachorro-viagem-mala-bagagem-ferias

Check in e check out animal: despachando pets de avião


  • novembro 9, 2015
  • mpmidia
Ampliar foto

Alguns animais de estimação fazem parte da família. E, como tal, participam das viagens como verdadeiros membros. Mas é preciso ficar atento a certos cuidados e normas na hora de meter o pé na estrada com os bichanos. Por isso, separamos algumas dicas para você que não sai de casa sem o seu pet:

Caixa de transporte

03160439

Todas as companhias exigem caixas de transporte de tamanho suficiente para que o animal fique em pé dentro dela e consiga dar uma volta em torno do corpo. Recomenda-se, ainda, que os animais estejam devidamente identificados (coleira com contatos) e que a caixa tenha portas reforçadas para evitar que abram e os pets se percam. O transporte de animais deve ser reservado com antecedência junto à companhia aérea porque há um limite máximo de cargas vivas por voo. Cada empresa tem regras específicas, mas, de modo geral, são parecidas. Existe custo adicional para transporte do animal, normalmente calculado com base no peso do animal mais caixa de transporte e no preço cheio da passagem. Confira a necessidade de o animal usar focinheira nas dependências do aeroporto e durante o voo.

Alimentação

Recomenda-se um jejum alimentar de seis a oito horas antes do voo. Água pode ser oferecida até 3 horas antes da viagem. Essa é uma forma de evitar vômitos e enjoos durante o transporte.

Restrições

Algumas companhias aéreas não transportam animais de focinho curto, como cães da raça Pug, Shih Tzu e Buldogue, ou gatos de raças como o Persa ou Himalaio: estas raças são predispostas a terem problemas respiratórios que, com o confinamento e o estresse dentro da caixinha durante a viagem podem se agravar e fazer com que o animal passe mal e até morra.

03160413

Após a viagem

Animais, após a viagem, podem ter diarréia e falta de apetite até a adaptação às novas condições. Se você pretende viajar com seu cãozinho ou gato, dê preferência aos voos curtos e diretos. Escolher um voo noturno pode ser uma boa opção, pois os aeroportos ficam menos cheios nesses horários. Evite os voos com muitas conexões, que podem aumentar o risco de perdas, principalmente se o animal estiver viajando  em outro compartimento.

Requisitos

PET 4

São exigidos alguns documentos para garantir que será seguro para passageiros e animal que ele embarque. Todos eles devem ser emitidos por médico veterinário devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina Veterinária da Unidade Federativa de origem do animal. No caso de viagens nacionais, a Anac exige que seja apresentada carteira de vacinação atualizada, onde estejam comprovadas as vacinas múltipla e antirrábica, além de tratamento com vermífugo. Para viagem internacional, é obrigatório apresentar também o Certificado Zoossanitário Internacional (CZI). Para obtê-lo, é necessário agendar uma consulta com médico veterinário do Ministério da Agricultura, que se encontra em aeroportos internacionais. Atenção à validade das vacinas: a antirrábica deve ter sido aplicada há mais de 30 dias e sua validade é de um ano. Caso o animal seja silvestre, é necessária, ainda, autorização emitida pelo IBAMA para transportá-lo.

É importante também consultar as exigências do país de destino e providenciar outros documentos, se necessário. Algumas companhias aéreas exigem outros documentos também, como Certificado Sanitário informando que o animal está em boas condições de saúde e pode viajar. Por ter validade de 72 horas, será necessário solicitar mais um antes da volta. Algumas companhias aéreas pedem que os animais viajem sedados em trechos mais longos; consulte seu veterinário e a companhia aérea a este respeito.

Cão-guia

cao-guia2

Por tratar-se de caso de necessidade especial, o cão-guia obrigatoriamente deve ser transportado sem custo adicional para o passageiro, com coleira e ao lado do dono, na primeira fileira. Deve estar equipado com correia e dispensa uso de focinheira. Neste caso, ainda é necessário informar a companhia aérea com antecedência e apresentar a documentação necessária para animais, além de atestado médico comprovando a necessidade do passageiro de levar consigo o cão-guia.